Terça, 10 Setembro 2019 14:56

Em Curitiba, curso do DIEESE aborda gênero no mercado de trabalho

No conteúdo a ser abordado estão propostas teóricas e práticas para superação das formas identificadas de opressão

Em Curitiba, curso do DIEESE aborda gênero no mercado de trabalho

Na quinta-feira, 19 de setembro, a Escola DIEESE de Ciências do Trabalho realizará, em Curitiba, o curso de extensão Gênero e Trabalho: Uma Abordagem Plural e Contemporânea. A formação tem o objetivo de promover a discussão em torno da equidade de oportunidades, com base nas diferenças sociais (classe, raça, gênero) e como estão conectadas pelas experiências cotidianas observadas no mundo do trabalho.

No conteúdo a ser abordado estão propostas teóricas e práticas para superação das formas identificadas de opressão; a cultura do machismo: gaslighting, mansplaining, manterrupting, bropriating; e discriminação de gênero e suas consequências para a sociedade.

A formação acontece no Sindicato dos Trabalhadores em Educação Pública do Paraná (APP Sindicato), na Av. Iguaçu, 880, Rebouças – Curitiba/PR, e inscrições podem ser feitas através do site do DIEESE.

Serviço

INFORMAÇÕES

Inscrições: http://escola.dieese.org.br/escola/ensino/extensao/novos-cursos

Certificação: Escola DIEESE de Ciências do Trabalho

Carga horária: 8h

Aulas: 19 de setembro de 2019

Horário: das 9h às 18h

Formadoras: Thamires Silva, socióloga, doutoranda em Sociologia pela USP e professora da Escola DIEESE

Local: Sindicato dos Trabalhadores em Educação Pública do Paraná – APP Sindicato, Av. Iguaçu, 880, Rebouças – Curitiba/PR

CONTEÚDO

- Divisão sexual do trabalho: um conceito que propõe mudança

- Identificando os níveis da injustiça social: interseccionalidade e consubstancialidade

- Desvendando a cultura do machismo: gaslighting, mansplaining, manterrupting, bropriating

- Discriminação de gênero e suas consequências para a sociedade (violência doméstica, crimes de feminicídio, precarização do trabalho, etc.)

- Propostas teóricas e práticas para superação das formas identificadas de opressão

 

Fonte: Senge-PR