Sexta, 10 Maio 2019 17:07

5 mães engenheiras que você precisa conhecer

No segundo domingo do mês de maio é celebrado o dia das mães. O Coletivo de Mulheres da Federação Interestadual de Sindicatos de Engenheiros (Fisenge) reuniu falas de 5 mães engenheiras para marcar essa data, que é de conquista e luta por direitos e um Brasil justo e igualitário. Elas falam sobre a importância de direitos fundamentais como licença-maternidade, creches e outras conquistas que são fruto da luta dos sindicatos que negociam os acordos coletivos. São elas: Anildes Lopes, Fabiana Alexandre Branco, Marina Bezerra, Simone Baía e Raíssa Rodrigues. Confira!


Anildes Lopes
Engenheira agrônoma, diretora do Sindicato dos Engenheiros no Estado de Minas Gerais (Senge-MG) e mãe de 3 filhas, as gêmeas Maria Luiza e Maria Cecília, de 17 anos, e Manuela, de 13 anos. Como muitas mães, Anildes passou por dificuldades. A engenheira conta que quando sua terceira filha nasceu, em razão do tipo de função que ocupava, um cargo comissionado, teve que voltar a trabalhar antes dos 30 dias do pós-parto. Para Anildes, estas formas precárias de trabalho prejudicam, consideravelmente, as mulheres. “O respeito à CLT e aos direitos trabalhistas conquistados em acordos coletivos é fundamental. E os sindicatos cumprem papel central nesse avanço”.

Fabiana Alexandre Branco

Engenheira agrônoma, trabalha como fiscal Defesa Agropecuária do Estado de Santa Catarina, é diretora do Sindicato dos Engenheiros Agrônomos de Santa Catarina (Seagro-SC) e mãe de Thales, que tem 3 anos e 10 meses. Fabiana lamenta que muitas mulheres ainda sejam discriminadas no ambiente de trabalho por engravidare, embora ela tenha encontrado um ambiente acolhedor no trabalho. Isso porque trabalha em uma empresa pública que cumpre a CLT e as cláusulas do Acordo Coletivo de Trabalho conquistadas pelo Sindicato. “Nós temos a garantia de 6 meses de licença-maternidade, auxílio-creche/babá, por exemplo, benefícios que proporcionam um retorno menos abrupto ao trabalho. Esses direitos só foram possíveis graças à luta do Seagro-SC”, garantiu.

Marina Bezerra
Engenheira agrônoma, mestre em desenvolvimento em meio ambiente, assessora técnica do Conselho Regional de Engenharia e Agronomia de Sergipe (CREA-SE), diretora adjunta da diretoria da mulher da Senge-SE e mãe de uma menina de 2 anos e meio. Um de seus maiores anseios como mãe é de uma creche pública próxima de sua casa ou trabalho. “Por exemplo, em palestras e outros eventos que eu poderia participar pelo trabalho ou pela militância, não fui por saber da falta de estrutura para acolher crianças, trocadores nos banheiros e falta de cuidadores enquanto participo do evento”, disse.

Raíssa Rodrigues
Engenheira civil, representa o Sindicato dos Engenheiros no Estado de Minas Gerais (Senge-MG) no Coletivo de Mulheres da Federação Interestadual de Sindicatos de Engenheiros (Fisenge) e é mãe de uma menina de 5 meses. A engenheira ressalta a importância da licença-maternidade para sua permanência no mercado de trabalho.


Simone Baía
Engenheira química, diretora da mulher da Federação Interestadual de Sindicatos de Engenheiros (Fisenge) e mãe de uma adolescente de 15 anos, Anna Terra. Simone conta que uma das situações mais positivas e emocionantes que viveu enquanto mãe, foi quando sua filha tinha 9 anos e escreveu uma redação na escola sobre ela e relatou a admiração que sentia pelo seu trabalho na engenharia e no movimento sindical com mulheres. “Nós, mulheres, acumulamos jornadas de trabalho, familiar e doméstico, ampliando a exploração da nossa força de trabalho. Hoje, o governo federal não só quer ampliar a reforma trabalhista com retirada de direitos como aprovar a Reforma da Previdência que irá prejudicar ainda mais as mulheres, que terão que trabalhar e contribuir muito mais. Por isso, nós precisamos nos unir em defesa da aposentadoria, da educação pública e gratuita e de um Brasil justo, igualitário e soberano”.

5 mães engenheiras que você precisa conhecer