Quarta, 09 Maio 2018 17:19

Engenheiro formado pelo ProUNI transforma realidade na periferia

Por Camila Marins

Basta jogar no Google “Jardim Pantanal zona leste SP” e, na maior parte dos resultados, haverá notícias sobre enchentes, alagamentos e deslizamentos. Esta é uma região periférica da capital de São Paulo. E foi nesse bairro, às margens do rio Tietê, que o engenheiro Matheus Cardoso, de 22 anos, sonhou e fundou o Moradigna, uma empresa que presta serviços de engenharia nas comunidades e periferias. “No Jardim Pantanal existe uma especificidade, pois fica às margens do Rio Tietê, o que faz com que o bairro seja muito úmido, assim como as casas. E esta é apenas uma das insalubridades que uma má construção pode ocasionar. Isso tudo eu vivi de perto junto com a minha família e todos os meus vizinhos”, contou Matheus, que estudou em uma escola pública que é considerada umas das piores da Zona Leste. Matheus fez o ensino médio em uma escola técnica no bairro da Penha, onde ganhou uma bolsa em um cursinho pré-vestibular. Antes, ele sonhava em fazer engenharia para poder tirar a mãe da periferia, mas mudou seu pensamento para formular um projeto que o fizesse permanecer na comunidade. Nesta entrevista à jornalista da Fisenge, Matheus fala sobre sua trajetória, os percalços e desafios.


Por que escolheu estudar engenharia civil?
Sempre tive o sonho de me formar em engenharia para poder tirar minha mãe da periferia. Estudei em uma escola pública, que é considerada umas das piores da Zona Leste. Fiz o ensino médio em uma escola técnica no bairro da Penha e lá ganhei uma bolsa em um cursinho pré-vestibular. Entrei na Universidade através do ProUni e, em 2017, me formei em engenharia civil pelo Mackenzie. Mas, um ano antes disso, já pensava em um projeto que me faria permanecer na comunidade.
Tive um breve contato com a profissão desde antes. Durante 21 anos, morei no Jd. Pantanal, e lá existe uma especificidade, pois fica às margens do Rio Tietê e isso faz com que o bairro seja muito úmido, assim como as casas que também se tornam muito úmidas. Essa é apenas uma das insalubridades que uma má construção pode ocasionar. Isso tudo eu vivi de perto junto com a minha família e todos os meus vizinhos.

Como foi essa virada para o Moradigna?
Ainda na faculdade, trabalhei em uma grande empresa de engenharia e o meu maior sonho, quando entrei nessa área, era trabalhar numa boa empresa, ter uma carreira tradicional. No entanto, quando eu comecei a trabalhar nessa empresa, eu me vi inserido em dois mundos muito diferentes. Eu morava no Jardim Pantanal, uma das piores comunidades de São Paulo, e trabalhava na Vila Olímpia, que é um bairro nobre. Viver essa dualidade de ambientes me incomodava muito. E como eu não tinha acesso a esses conhecimentos sobre empreendedorismo social, o meu maior desejo era sair dessa realidade para uma realidade melhor, mas depois que os obtive me dei conta de que eu poderia atrelar minha carreira com a transformação do bairro onde sempre vivi. Então, surgiu a ideia do Moradigna.

De que forma o empreendedorismo social ajudou na criação da empresa?
Passei pela aceleradora “Yunus Negócios Sociais”. Vi que o negócio poderia ser viável quando realizei, com a ajuda de meu padrinho que é pedreiro, a primeira obra do Moradigna: a reforma da casa da minha mãe. Depois, a vizinhança começou a virar clientela e o negócio decolou.
Nós temos vários levantamentos quantitativos. Depois de três anos de história, já são mais de 300 reformas realizadas, mais de 1.000 pessoas impactadas e mais de R$1 milhão em faturamento. Todos esses resultados são muito bons e validam o negócio, porém o que realmente me faz levantar da cama é o sorriso de uma mãe de família com um cômodo reformado, é um pai que agora pode tomar um banho quente para ir trabalhar. Pessoas vêm nos contar que não vão precisar levar os filhos em médicos, porque estão livres de pneumonia, já que a casa não é mais úmida.

Como funciona o empreendedorismo social?
O empreendedorismo social se encaixa no setor dois e meio. Existe o segundo setor, que são as empresas comuns que visam ao lucro, e existe o terceiro setor, que são as ONGs e que visam ao impacto social. Um negócio social é o meio termo entre os dois. É uma empresa que tem como objetivo resolver um problema da sociedade através de uma metodologia de negócio. Não visa somente o lucro, mas também não visa somente o impacto social.

As regiões periféricas têm dificuldade para conseguir assistência técnica gratuita. Qual a importância de iniciativas nessas regiões?
O Moradigna não oferece assistência técnica gratuita, mas sim um serviço onde se inclui a assistência técnica. Mas, de fato, é muito importante para essas regiões, porque as pessoas, em sua maioria, não sabem como reformar suas casas, por onde começar, quais serviços contratar. O que acaba gerando muita gambiarra e puxadinhos, que são os grandes responsáveis pelas insalubridades nas residências. Por isso, é muito importante que iniciativas como o Moradigna ajudem a resolver esse problema, porque é um dos pontos que está incluso no nosso combo junto com mão de obra, material, gestão e a garantia.

Qual a importância da contratação no próprio bairro?
É de extrema importância porque gera empatia, tanto dos executores que trabalham no Moradigna, quanto de quem contrata os serviços. Faz com que a gente entenda quais são as reais necessidades do cliente e desenhe propostas e serviços que caibam nessas necessidades. Sem contar que faz com que a economia local gire também, faz com que o Moradigna ganhe como empresa local e a comunidade ganhe em desenvolvimento econômico.

Fale um pouco sobre a parceria para atender famílias atendidas pelo Bolsa Família?
Hoje, o Moradigna tem parceria com o Instituto Phi, que seleciona causas e faz conexão entre essas causas e grandes filantropos do Brasil. Os filantropos doam para o Instituto, que seleciona algumas empresas ou ONGs para realizar serviços em prol da comunidade. O Instituto Phi tem parceria com a SASF (Serviço de Assistência Social à Família) da região que seleciona as pessoas que recebem o benefício de Bolsa Família, e o Moradigna executa as reformas. Quem doa é o Instituto Phi, quem seleciona as famílias é a SASF e o Moradigna é quem executa. Isso faz com que a gente atenda a um público que não poderia comprar a reforma, que são famílias de classe E, em maior vulnerabilidade social.

O que você acha da lei 11.888, que prevê assistência técnica gratuita?
Uma ótima iniciativa. É desse tipo de política pública que precisamos para melhorar as condições de insalubridades das residências. Já existem políticas públicas para construções de residências, porém, não temos um déficit de habitação no Brasil, o que temos é um déficit de residências em boas condições. Provendo assistência técnica para essas famílias fica muito mais viável que elas saiam dessas circunstâncias, ao invés de construir novas casas. Acredito muito nesse caminho. A minha única ressalva é como isso vai funcionar e como vai ser a contratação dessa assistência técnica. Como vai ser o contato com essas famílias? Como vão realizar essa supervisão? Toda vez que falamos de políticas públicas, temos que pensar em escala e que existem milhões de brasileiros que vão necessitar disso. O modelo operante por trás tem que ser bem desenhado e, por enquanto, não sabemos como vai ser feito. O Moradigna tem muito interesse em saber como vai ser executado, para que a gente se posicione nesse mercado também, tanto como opção de política pública, quanto opção de subsídio para atender cada vez mais clientes.

Foto: Divulgação

Engenheiro formado pelo ProUNI transforma realidade na periferia

 

Mídia